quinta-feira, 13 de novembro de 2008

"Cachoeira - Vapor Imaginário"

Desejava fazer um relato cronológico da minha relação
com o Singular "Mundo Chamado Cachoeira". Não deu. Não dá.
Tem apenas esse principio relatado nos itens anteriores.
Vou misturar tudo, quem desejar e tiver tempo que organize.
Entrando no clima da Festa da Ajuda.
Se você estiver deprimido, de mal com a vida, com Delírio de Cotard,
Delírio de Fregoli, Síndrome de Jerusalém, Síndrome de Stendhal,
Síndrome de Paris, Síndrome de Diógenes, Síndrome de Estocolmo,
Síndrome de Pânico, Colesterol Alto, Declínio Cognitivo, Pressão
Arterial Elevada, Estresse, Diarréia Crônica, Espinhela Caída,
Enxaqueca, Depressão no Baixo Ventre, Ziquizira Abdominal, Declínio
Progressivo no Parafuso Central, Abstinência Oral, Matrimonial, Bucal, Sexual e tantos outros als,
Relaxe mergulhe sem culpa no embalo da Festa da Ajuda libere todos os santos e diabos que todas as síndromes e sintomas os mais diversos desaparecerão temporiamente depois da trigésima oitava cerveja e no calor dos beijos, abraços, cochichos, gargalhadas e de vez em quando umas porradas para acalmar os menos e os mais exaltados.
A festa é objeto de estudo de uma equipe interdisciplinar de uma familiar Universidade da Bahia composta de 15 membros todos Doutores das mais diversas graduações, especialidades e origens, engenharia psicossomática, medicina nuclear basal, antropsicólogo, sociobiofisico, etnocinemusicologo, ergonomenologo do PIS e esferopirologo do PASEb, petrologo do Pré-Sal e outros mais ávidos de para identificar os efeitos laterais e colaterais e derivativos da Festa da Ajuda.
Não será novidade parte da equipe seja tomada momentaneamente por um desvio compulsório de função e conduta e caia na gandaia.



*“Cachoeira, não e flor que se cheire”

•Rapaz, Rapaaaazzz! Vê lá o que você fala de Cachoeeeeira!
•Cachoeirano é um ser inflamando e na defesa da Heróica!
•Ta pensado o que! Cachoeira é a capital do Estado da Bahia todo 25 de Junho!
•Do seu lado esquerdo ou direito tem o mais belo rio da Bahia
o Paraguaçu, depois do São Francisco!
•Para encerrar essa conversa fiada e partir para imagens da Festa da Ajuda:
•SÓ EM CACHOEIRA, AS LIRAS TOCAM PARA OS ORIXÁS!!




Salve Guayacu Luiza, Salve Lira, Salve Baratinha, Salve





Salve, o Povo de Cachoeira, Salve!





Salve Nossa Senhora da Ajuda, Salve!





Cinco horas da manhã na rua do cemitério o Diabo Mor ....... convoca seus servos para para a grande peleja do dia não sei o conteudo de uma lixeira que pela dificuldade de deslocamento parece levar todos os pecados do povo de Cachoeira.

Em seguida aparece A Coisa que grita desesperadamente tentando impedir o trajetória dos Demos.

A Coisa desolada e impotente de braços aberto ver os Demos passarem .

Agora salve-se que puder:

O mestre de cerimônias Paulo Cruz e sua assistente Diabinha.

As cabeças das meninas.

O meio das Meninas.

Os pés das meninas.

Duas e uma misteriosa.

Pa pa pa passeando Dona Alzira?

Mã mã mamãe! Ma ma Mainhaaaa. Kd mainha!

Apenas duas...

Metade de uma inteira.

Sou dois Brother. Sou Marujo sou Boiadeiro. O que mais queres?

Vocês pensavam que ia faltar Exu! Olha ele ai!!! Daqui a pouco ele vai lavar a jega redeado de solenes diabinhas.

Olha o ET da FAjuda
Tem Dona Elza a rainha da feira. Salve!

Ele vai atacar!

Pausa para um Crick.

Eu não disse ? Esta ai ó!
Não vou mostrar a quarta foto da sequência por que a dita é por demais "comprometedora".

Vamos pra FAjuda Sargento.

Ele não sabe o que esta perdendo!

Eu não falei! na FAjuda tudo é possivel, até Seu Zé esta no Embalo.


O embalo e melhor do que qualquer trio elétrico. Além do mais até morto vai atrás, Pergunta ao Paulo Cruz que lhe passa alista quilometrica dos que ele ja viu tomando e aprontando todas.



Olha o passarinho...

Aos pouco os gringos estão se achegando para FAjuda.

Elas na foto da Porta do foto de JU&JU...

Aiiii meu beeeeem!

K foi ? Tire logo sua foto... Nós somos tricolor...

Os dois V podem ser de Vitoria, paz e amor, viado e/ou virgem!
Sei não, não sei.

Sorria você esta na Fajuda, rapaaaaazzzz!

Chiiiiiiiiiiiii! Ele agora é Marilda!

Eu não falei que na FAjuda tudo é possível!

Olhem ai quem segura a onda melódica da Fajuda. Salve!

Olhem ai quem segura a onda percussiva da Fajuda. Salve!

Pensavam que eu não ia botar foto de samba-de-roda. Hum!

Mandus - Lindos e indispensaveis. Salve!

Mandus e Cabeçorra. Que coligação perfeita! Salve!

O ou um espírito da ou na FAjuda

Não poderia deixar de colocar mais uma foto de sapatos, sapatinhos e sapatões.
Daqui para diante é o reino delas - As diabinhas.

Olho Gordo.

Encantadoras

Divinas!

Bem Acompanhadas

Cansadas de Guerra.

Tchaussssss!

Tchaussss nada, ainda tem o recolhimento do lixo e discurso. Olha ai em baixo a monumetabilidade da cena e dos personagens!

Não tenha pressa e olhe cada detalhe deste monumento.

Para fazer uma pausa, aqui esta uma modesta homenagem a Grandiosa e Heróica Cachoeira que tem um patrimônio cultural da maior importância municipal, estadual, nacional, internacional e interplanetária.



Deus nasceu e vive em Cachoeira. Quem ousa me provar o contrario?



Eu estava escrevendo aqui e me lembrei que havia esquecido de colocar uma foto de um grupo de Marujos. O que eu queria escrever antes de me lembrar dos Marujos era: Cachoeiranos pelo amor que vocês tem a FAjuda (Festa da ajuda) não invente ou aceite esta coisa feia chamada ABADÁ continuem criando suas próprias fantasias saia de arvore de natal, baiana, de caipora, de general, de bebê, de mamãe, de Cosme e Damião, de Vampeta, vista a roupa dos seus maridos, vistam as roupas de suas esposas e coligadas. Mas por favor e amor a cultura da Heróica não saiam com aquela coisa feia chamada abadá com propaganda ambulante de sabão, Creolina, sorvete, telefone celular, operadora, bebida ou água sanitária.


Voces ja olharam as diabinhas, as meninas e tantos outro grupos, agora vejam os Marujos.



Se você não gostou de alguma fala ou fotografia se você desejar acrescentar alguma informação: adenorgondim@gmail.com

Depois de viajar no universo da festa da Ajuda de 2006 só resta aos diabos retirar as sobras e .....



A Coisa sinaliza o caminho e o mais, o diabo que o carregue.


Vai com Deus e que Nossa Senhora da Ajuda ilumine os seus e os nossos caminhos.

"Cachoeira não é flor que se cheire"*.


Leia com atenção muita para não interpretar mal estas tortuosas linhas:

Ficção s.f.l.Ato ou efeito de fingir.2. Simulação.3. Arte de imaginar. 4. Coisas imaginarias.
Ficcionistaadj.m.e f.Referente à ficção.S.m.e f.Pessoa que faz obras de ficção.
Dicionário Michaelis - Uol


Ficcionando


Um certo e pretensioso aprendiz de ficcionista depois de passar dois dias em Cachoeira, mergulhou numa relevante e profunda depressão ao tempo em que falava e cantava, palavras e canções as quais seus amigos cachoeiranos da Gema, da Ponte e da Pedra da Baleia: o escultor Fory, o antropólogo Cacau Nascimento, produtor cultural Cabeção e Walmir da boa Morte não entendiam bulhufas de nada.
Será que é o Caboclo, e/ou Pomba-Gira , e/ou isso é coisa feita? Os amigos sensibilizados e atônitos com a mudança de humor do "criador de estórias", por precaução o lavaram a casa da famosa Ialorixá Mãe Filhinha de IemanjaOgunte lá na Rua da Feira perto da delegacia de polícia. Levaram o distinto no taxi do saudoso sambador Dedão líder do Samba-de-roda "Amor de Mamãe" (que Deus o tenha na sua Glória). Carregaram o distinto até o barracão o colocaram na cadeira do Ogã Menezes. Sentado ele recobrou os sentidos e viu diante de si uma senhora que do alto dos seus 85 anos colocou suas mãos sobre a sua cabeça e rezou três rezas para quebranto, deu três sacolejos, mandou os amigos passear e que só voltassem três horas depois.
Durante três horas, sentados diante de duas Iemanjás estampadas na parede do barracão, o distinto deprimido apenas ouviu estórias e mais estórias do mundo encantado de Iemanjá e da vida de uma mulher negra que viveu e superou todas as dificuldades de ser, pobre e que tinha orgulho da cor, da suas religiões Candomblé e Católica Apostólica Romana e de ser a segunda irmã mais velha da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte.
Três horas depois os amigos voltaram e viram o deprimido às gargalhadas com Mãe Filhinha. Curiosos discretamente perguntaram a Mãe Filhinha:
- Foi Caboclo:
- Foi Pomba-Gira
- Foi Escravo?
Mãe Filhinha e o ex-deprimido deram gargalhadas e sentaram no banco dos alabés.
- Ele só estava com o juízo meio atrapalhado por conta do que viu e ouviu em Cachoeira nesses dois dias. É que as estórias que ele inventa é uma titica diante da vida e das coisas de Cachoeira.
- Começa assim, depois piora. Por aqui já passou uma romaria de gente assim como ele com a cabeça atrapalhada. O último chegou aqui desmaiado, deixaram aqui na porta sem aviso. Mandei os meninos botar no barracão na cadeira do Ogã Menezes. O sono entrou pela tarde e noite a dentro só foi acordar no outro dia, rezei as três rezas quebrei os três desencantos do rapaz passei alguns remédios e ele seguiu a risca melhorou de um lado e piorou do outro, fez fotos da minha casa toda já tirou um caminhão de retratos meus. Logo eu que sou tão feia! Mas ele me acha linda e crik, crik e crik é aqui no barracão, e dento de casa, e no assento de Tempo, na beira do rio, na capela de Nossa Senhora, nas festas da Irmandade da Boa Morte da Ajuda. Valei-me Iemanjá! Pra que tanto retrato? Ele fica feliz quando Crick, Crick e Crick eu já nem ligo.....
Mas para este amigo de vocês contador de estória tem também remédio para melhorar ou piorar de uma vez.
- Os três amigos uníssonos: qual é o remédio Mãe Filhinha, é o mesmo do Crick, Crick e Crick?
- È,é e é.
- Qual é?
- Sair na Festa da Ajuda.
- Na f e s t a da da da Ajuuuuuda?
- Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim, Festa da Ajuda sim senhor fantasiado de Mandu ou Cabeçorra, ou de Diabo, ou de Gauchete, de Baiana, ou de Fiz Totô, ou de Transvestido, ou na Charanga tocando Corneta.
Gargalhada geral.
Vão embora meninos os foguetes de Meneses estão chamando o povo para Festa de Nossa Senhora da Ajuda.
Que Tempo e As Águas alumie os caminhos e a cabeça de vocês...

Há mais de 20 anos um certo e aprendiz de ficcionista hoje reconhecido internacionalmente, todo mês de novembro acampava no Cabana do Pai Tomaz, ou na casa de Dona Nair (que Deus a tenha no meio dos anjos do céu), na Pousada do Guerreiro e hoje na pousada da Ajuda. O Dito já saiu de Mandu, de Diabo, de Gauchetes, de Transvestido (Com Mascara), de Cabeçorra, de Poirot, e por último arrasou de Baiana.







Obs. Rapaaaz , vai escrever mal assim lá no Caquende!!!!!!

3 comentários:

Mágico Richard disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
JORGINHO RAMOS disse...

Adenor :

Sua sensibilidade de artista (da imagem)traduz de maneira magistral como você foi arrebatado por esta cidade. Sentimento puro... extrai-se de seus textos e fotografias de Cachoeira. Parabéns a você. E a Cachoeira por te ter como filho amantíssimo.

JORGINHO RAMOS disse...

PS : Veja o blog VAPOR DE CACHOEIRA
http://vapordecachoeira.blogspot

 
Free counter and web stats